Como funcionam multas e penalidades para pessoa jurídica

Como funcionam multas e penalidades para pessoa jurídica

Quando o assunto é infração de trânsito em veículo registrado em nome de Pessoa Jurídica, as obrigações e consequências mudam um pouco de figura. E, enquanto o procedimento de indicação de condutor infrator é opcional no caso dos veículos de Pessoas Físicas, a Pessoa Jurídica é obrigada a apontar o real condutor.

LEIA MAIS:
DETRAN abre 5 mil vagas para CNH Grátis 2021
Motorista poderá recorrer de suspensão ou cassação de CNH online
Multas de trânsito poderão ser parceladas em até 12 vezes, prevê novo projeto

De modo geral, a indicação do real condutor infrator serve para que os pontos oriundos da infração recaiam sobre o verdadeiro infrator – e não sobre o proprietário do veículo. Caso esse procedimento não seja realizado, portanto, a pontuação será destinada à CNH do proprietário.

Porém, no caso de pessoa jurídica, não há uma CNH em nome do proprietário, e a legislação de trânsito obriga os empresários a apontarem o motorista que estava ao volante em caso de infração.

Para quem é proprietário de alguma empresa que trabalhe com o transporte, seja de cargas ou de passageiros, ou mesmo no caso de veículos usados no dia a dia da empresa, a indicação do real condutor infrator é uma medida obrigatória. Caso não seja realizada, a pessoa jurídica deverá arcar com as consequências da chamada multa NIC (multa por não identificação de condutor infrator).

Pessoa jurídica é obrigada a realizar a indicação do condutor

Em primeiro lugar, é preciso ter em mente que não são todas as infrações que tornam necessária a indicação do real condutor – seja pela pessoa jurídica ou física. Somente quando não houver abordagem do agente de trânsito (que, por consequência, não conseguirá identificará o motorista), é que a multa será destinada ao proprietário do veículo.

Multas por excesso de velocidade registradas por radares, estacionamento em local proibido e ultrapassagem indevida são alguns exemplos em que a abordagem do agente não é necessária.

Além disso, a indicação servirá para as multas que são de responsabilidade do condutor (relacionadas à sua conduta ao volante) e não ao proprietário (como a documentação e regularização do veículo, por exemplo).

Como dito, as consequências pela falta de indicação do real condutor são diferentes para pessoa física e jurídica. Enquanto a pessoa física apenas deverá arcar com as penalidades por infração que ela não cometeu, a pessoa jurídica terá um agravante sobre disso, com a aplicação da multa NIC. Ou seja: se a pessoa jurídica não realizar a indicação do condutor, será mais fortemente penalizada.

Essa obrigatoriedade, prevista no art. 257, § 8ª do CTB, se dá porque, como a pessoa jurídica não tem habilitação, o órgão não conseguirá penalizar o responsável de acordo com as regras do Código, que sempre determina uma consequência para a CNH do condutor, seja a soma de pontos ou a suspensão da carteira, por exemplo.

Pessoa jurídica tem prazo para realizar a indicação do condutor

É a Resolução nº 710/2017, do Contran, que regulamenta as penalidades para a pessoa jurídica em caso de não indicação do condutor.

Quando um veículo de empresa é flagrado infringindo a legislação, mas não há abordagem do motorista, a pessoa jurídica responsável tem um prazo de 15 dias para realizar a indicação do condutor. Esse prazo sofrerá aumento para 30 dias a partir de abril, com o vigor da nova Lei 14.071/2020, que altera vários pontos do CTB.

O procedimento é bastante simples, pode ser realizado via internet, conforme o órgão responsável pela autuação, ou por meio do preenchimento do formulário de indicação que acompanha a notificação recebido.

No caso impresso, tanto o representante da pessoa jurídica quanto o condutor responsável pela infração precisarão assinar o documento. Depois, será necessário anexar cópias de alguns documentos exigidos e encaminhar ao endereço que consta na notificação – dentro do prazo estipulado, atualmente, 15 dias.

É preciso ter muita atenção ao preenchimento dos dados e ao prazo, para que não haja nenhum erro que invalide a indicação.

Caso a pessoa jurídica, proprietária do veículo, deixe de realizar a indicação do condutor, deverá arcar com a multa NIC, cujo valor é definido da seguinte maneira: o valor da multa pela infração cometida pelo condutor será multiplicado pelo número de vezes em que a mesma infração foi cometida, com o mesmo veículo, nos últimos 12 meses.

Por exemplo, se a multa cometida foi por excesso de velocidade até 50% acima da máxima permitida, infração grave com multa no valor de R$ 195,23, e o veículo foi autuado outras 4 vezes por essa mesma infração, dentro de um período de 12 meses, o valor da multa NIC será de R$ 780,92.

Isso, é claro, além do valor da multa original pela infração, o que faria com que o montante total a ser pago seria R$ 976,15 – um prejuízo e tanto.

Cabe ressaltar que, mesmo que a indicação seja realizada, os pontos pela infração serão destinados ao condutor; à pessoa jurídica, caberá a responsabilidade de arcar com o valor da multa.

Realizar a indicação do condutor principal pode evitar multa NIC

Uma boa forma de evitar problemas com a lei em relação a quem dirige o veículo e quem é o seu proprietário, é realizar a indicação do condutor principal. É importante não confundir esse procedimento com o real condutor.

A indicação do condutor principal é uma opção destinada àqueles que utilizam o veículo de outra pessoa com frequência – mais até do que o próprio dono. Por isso, essa indicação é, também, ideal para pessoa jurídica.

Nesse caso, uma vez realizado o processo, quando for registrada uma infração no veículo, a penalidade será automaticamente destinada ao condutor nomeado como principal.

A ele, caberá a responsabilidade por arcar com os pontos da infração e outas possíveis consequências, como a suspensão ou cassação da CNH. Já o pagamento da multa ficará a cargo da pessoa jurídica, cujo endereço será referência para o envio das notificações de infrações de trânsito.

Realizar a indicação do principal condutor é um procedimento simples e realizado de maneira online, podendo ser efetuado tanto pelo portal de serviços do Denatran quanto pelo aplicativo Carteira Digital de Trânsito (CDT).

A vantagem é que, caso um motorista de alguma empresa seja multado, e a multa seja por sua conduta, não haverá essa pressa em realizar a indicação do real condutor, uma vez que ele já estará no sistema como principal motorista.

Por fim, cabe ressaltar que, se a empresa receber uma multa NIC, ainda será possível recorrer na esfera administrativa.

Via: UOL

Se precisar de ajuda ou ainda tiver alguma dúvida sobre o tema, clique aqui ou pelo e-mail:  erica@avallonelima.com.br
Mentoria para advogados em Direito de Trânsito preencha o formulário clicando aqui

Site  | Facebook  | Instagram Linkedin  | Canal no Youtube  | Pinterest 

Conheça o meu Kit da Lei Seca clicando aqui e conheça uma nova área de atuação

Deixe um comentário