Suspensão e cassação da CNH: quais as diferenças?

Suspensão e cassação da CNH: quais as diferenças?

A legislação brasileira que rege as infrações de trânsito é o Código de trânsito brasileiro (CTB). As infrações estão descritas no artigo nº 256, e são:

  • advertência por escrito;
  • multa;
  • suspensão do direito de dirigir;
  • cassação da CNH ou da PPD (permissão para dirigir);
  • frequência obrigatória em curso de reciclagem.

Tanto a suspensão quanto a cassação dizem respeito ao impedimento de dirigir, mas uma sequência de multas pode levar a ambas as penalidades.

LEIA MAIS:
Cassação da CNH: como funciona e como evitá-la
Como nova lei de trânsito tornará obrigatório desconto de 40% em multas
Sua CNH vence em 2021? Saiba quando renová-la

Suspensão da CNH

A suspensão do direito de dirigir é uma medida temporária, que pode chegar até a dois anos, dependendo do seu motivo.

O motivo mais conhecido e mais comum que gera a suspensão da CNH é o acúmulo de pontos.

Quanto as infrações de trânsito, elas possuem quatro graus diferentes e para cada um desses graus é atribuído uma determinada pontuação, como diz o artigo 259 do CTB:

  • gravíssima – sete pontos;
  • grave – cinco pontos;
  • média – quatro pontos;
  • leve – três pontos.

Os pontos registrados possuem a validade de um ano. Após esse tempo, os pontos expiram e deixam a CNH.

O que muitos condutores desconhecem é que existem determinadas condutas de trânsito que culminam automaticamente na suspensão do direito de dirigir, sem que haja a necessidade do acúmulo de pontos. São as chamadas multas autossuspensivas.

É o caso, por exemplo, do flagrante de condutor sob o efeito de álcool ou outras substâncias psicoativas, como descrito no artigo 165 do CTB. Tal conduta, além de multa, acarreta na suspensão da CNH por um ano.

Quando suspensa, a CNH pode ser obtida novamente caso o condutor passe por um curso de reciclagem e prova teórica.

Cassação da CNH

A cassação da CNH é uma penalidade ainda mais grave que a suspensão, impedindo que o motorista dirija por um período de dois anos.

Para reaver o direito de dirigir, o condutor deverá passar por todo o processo de habilitação novamente, o que compreende exame médico, exame psicológico, aulas teóricas, prova teórica, aulas práticas, prova prática, além de ter de conduzir por um ano com a permissão para dirigir (PPD).

As situações que culminam na cassação da CNH estão descritas no artigo 263 do CTB:

  • mesmo tendo suspenso o seu direito de dirigir, o infrator conduzir qualquer veículo automotor;
  • em casos de reincidência (no prazo de doze meses) das infrações previstas no inciso III do art. 162 e nos arts. 163, 164, 165, 173, 174 e 175, todos do CTB;
  • quando condenado por delito de trânsito.

Tanto a cassação quanto a suspensão são aplicáveis nas condutas consideradas crimes de trânsito, previstas no capítulo XIX do CTB.

Como reverter a cassação e a suspensão da CNH?

Assim como toda penalidade de trânsito, a suspensão e cassação da CNH são passíveis de recurso. Sendo assim, logo após receber a notificação de autuação ou de aplicação da penalidade, o condutor pode exercer o seu direito de recorrer.

Caso o motorista decida pelo recurso, o primeiro ponto a ser observado é se o endereço cadastrado junto ao Detran do estado está atualizado, para que assim o condutor receba a notificação de autuação no tempo correto. A notificação de autuação apresenta os dados da infração e estabelece o prazo para a apresentação da defesa prévia, que diz respeito a primeira chance de defesa e que possui um prazo mínimo de quinze dias.

Caso o prazo não seja respeitado, o indeferimento é inevitável. Para defender-se de forma concreta e eficaz, é preciso reunir o máximo de evidências possíveis e argumentar de forma embasada para pleitear a anulação da penalidade. E é por isso que a atuação, junto ao condutor, de um advogado especializado em direito de trânsito é de suma importância.

Após o prazo de análise da defesa prévia, caso haja a recusa de anulação, existem ainda mais duas etapas disponíveis para que o condutor possa recorrer: à JARI (Junta Administrativa de Recursos de Infrações), em primeira instância, e ao Conselho Estadual de Trânsito (CETRAN), em segunda instância.

Em cada uma dessas fases de defesa, o prazo para o envio do recurso é de 30 dias. Este, por sua vez, será julgado por comissões diferentes.

É importante ressaltar que durante todo o processo de defesa, tanto a cassação quanto a suspensão da CNH não poderão ser aplicadas.

Se precisar de ajuda ou ainda tiver alguma dúvida sobre o tema, clique aqui ou pelo e-mail:  erica@avallonelima.com.br
Mentoria para advogados em Direito de Trânsito preencha o formulário clicando aqui

Site  | Facebook  | Instagram Linkedin  | Canal no Youtube  | Pinterest 

Conheça o meu Kit da Lei Seca clicando aqui e conheça uma nova área de atuação

Deixe uma resposta